fraudes em cartões de crédito
27 nov

Conheça as principais fraudes em cartões de crédito

Fazer vendas via cartões aumenta a versatilidade dos modos de pagamento em seu comércio e diminui consideravelmente o dinheiro físico em caixa, minimizando também os riscos e perdas em relação a assaltos e furtos.

No entanto, mesmo com uma série de tecnologias que se desenvolvem cada vez mais, pessoas mal intencionadas estão sempre trabalhando para passar por cima dos protocolos de segurança e cometer as principais fraudes em cartões de crédito.

Uma atividade criminosa desse tipo pode lesar gravemente o vendedor, que talvez nem desconfie que foi vitimado e só acaba por descobrir o dano causado ao final do mês.

Por isso, é muito importante entender quais são as fraudes mais comuns, como observá-las e quais dispositivos e táticas permitem aumentar sua segurança contra esses riscos.

Continue a leitura para saber mais!

Como acontecem as fraudes em cartões de crédito?

Diferente da relação com dinheiro físico, em que geralmente ocorre agressão ou coerção por parte do ladrão, os fraudadores de cartões de crédito agem com muito mais sutileza, fazendo questão de não serem notados.

Por se tratar de aparelhos eletrônicos que utilizam sinal para suas autenticações, a maioria das fraudes acontece pela apropriação criminosa de algum mecanismo dos dispositivos, como nos seguintes casos:

Troca da maquininha

As famosas maquininhas PoS, alugadas de empresas, costumam ser padronizadas de acordo com sua distribuidora, fazendo muito pouca diferença física. Com o tempo, o trabalho de passar cartões se torna mecânico e, muitas vezes, falta a conferência do canhoto do emissor, onde constam os dados da venda.

Aproveitando disso, os criminosos usam um momento de distração do atendente para substituir o aparelho do estabelecimento por um cadastrado com suas informações. Quando as vendas são feitas, o valor é redirecionado à conta do autor da fraude.

Essa forma de fraudação é mais comum do que parece e pode levar um tempo importante até que o emissor perceba o dinheiro perdido (que dificilmente conseguirá recuperar).

Cobrança indevida de taxas

Esse tipo de atividade pode ser considerada fraude, mesmo que possua uma “contratualidade” por parte da adquirente e do emissor.

Como falamos, com o tempo, o processo de conferir as taxas, as emissões e comparar na ponta do lápis os lucros, confrontados com o que é pago para a empresa do cartão, não percebemos quais taxas subiram sem aviso prévio ou foram cobradas indevidamente, sem a explicação adequada dos processos e suas implicações.

Um caso comum é a alta taxa sobre parcelamento e taxas administrativas que não são explicadas ou ficam nas “letrinhas miúdas” do contrato.

No momento da venda, as empresas omitem custos abusivos que podem ocorrer, aproveitando-se da falta de informações específicas e técnicas de muitos dos contratantes.

Outro agente capaz de lesar o varejista é o próprio banco, atrasando deliberadamente o repasse para forçar o cliente a tomar um empréstimo para conseguir fechar o mês em dia.

Cancelamento de venda

Essa espécie de fraude pode causar bastante dor de cabeça em varejos que vendem produtos com preço elevado.

Consiste na má fé do comprador em realizar a transação com o cartão e cancelá-la logo ao sair da loja, levando o produto mas não tendo o encargo da venda.

É até possível contestar o procedimento, quanto antes o varejista buscar por resolução, maiores as chances. Acontece que muitos não verificam diariamente os cancelamentos, aumentando as chances de ser lesado por algum cliente.

Troca de crédito por dinheiro vivo

Uma prática bastante corrente no mundo da agiotagem é adiantar dinheiro mediante uma transação de cartão de crédito.

Há taxas que incidem sobre a venda com cartões e, além de configurar um gesto à margem da legalidade, por agir como instituição financeira, tal oferta é capaz de trazer prejuízos ao vendedor.

 Como se prevenir de fraudes no cartão de crédito

Algumas medidas fundamentais podem ser tomadas para prevenir muitos dos modelos de fraudes que citamos:

  • Esteja atento ao adquirir qualquer serviço, leia junto do vendedor os termos, peça o tanto de explicações que precisar e mantenha uma cópia do contrato bem lida e resoluta;
  • Conheça seus direitos como consumidor, seus deveres e atribuições como vendedor. Entenda a incidência de taxas sobre atividades, se possível, demande uma tabela e se informe sobre qualquer atualização nos valores;
  • Nunca confie em propostas de dinheiro fácil;
  • Não deixe de usar um conciliador de cartão de crédito! Com ele você poderá verificar todos os movimentos e transações, cancelamentos e taxas;
  • Analise os cancelamentos e balanços com a maior frequência que conseguir ao fazer grandes vendas;
  • Utilize o TEF. Esse sistema é capaz de te poupar de problemas como troca de máquinas e possui um sistema que, ao invés de cobrar sobre venda executada e ponto, oferece maneiras muito mais flexíveis e seguras de organizar suas vendas.
  • Você pode usar um sistema de integração incorporando o TEF e, além de controlar as saídas de produtos, armazenar e criar planilhas importantes sobre o balanço, ainda pode automatizar a emissão de notas para o fisco, diminuindo a chance de erros e outras dores de cabeça com a Secretaria da Fazenda de seu estado.

Torne seu empreendimento cada vez mais seguro para você e seus clientes, aprendendo sobre os perigos que rondam o trabalho com cartões de crédito e adote as melhores táticas para se blindar de demais implicações.

Com a GetCard você tem um sistema amplo e prático para TEFs, conheça hoje mesmo nosso trabalho!