Blog

Como funciona um cartão de crédito? Entenda o processo!

Nos tempos atuais é difícil imaginar um estabelecimento que não utilize cartões de crédito como um meio de pagamento recorrente, especialmente aqueles que buscam realizar vendas com o maior número possível de opções, além de mais segurança e comodidade para seus clientes.

As formas de organizar essa modalidade têm se diversificado e, para prestar o melhor serviço e ter retorno positivo e mais controle sobre as operações, é indispensável entender o funcionamento desse processo. Isso será útil para realizar análises mais assertivas e oferecer experiências completas aos seus clientes.

Os tipos de máquinas de cartão de crédito

Em geral, podemos dizer que praticamente todos os varejos operam com dois modelos muito populares de gestão de cartões:

PoS

O PoS, sigla para Point of Sale (Ponto de Venda), é um modelo bastante característico e inconfundível: a velha “maquininha de cartão”. O PoS é alugado de uma adquirente, a empresa que gerencia o sistema de vendas via cartão.

É cobrada uma taxa mensal de aluguel, mais uma taxa sobre cada venda realizada (a taxa varia conforme a modalidade). Você pode contratar mais modalidades de acordo com sua adquirente, como a capacidade de parcelamento, mas ficará restrito às bandeiras e modelos disponíveis apenas pela adquirente contratada.

  • A grande vantagem desse aparelho é sua mobilidade, sendo muito popular em entregas e altamente intuitivo em sua interface.
  • As desvantagens são: as restrições de bandeira e modalidades, o fato de ainda usar sinal GSM – que costuma ser lento e cair bastante -, depender de bateria e ser relativamente sensível, gerando ocasionais custos de reparo e esperas ao telefone no SAC da empresa.

TEF

A Transferência Eletrônica de Fundos possui um sistema mais robusto e complexo: requer, ao invés de uma maquininha, um sistema com pinpad e computador dedicado conectado à internet.

Apesar de não ter a mesma versatilidade nos deliveries e nos pagamentos em restaurantes, direto na mesa do cliente, o sistema TEF não possui taxas que incidem sobre cada venda realizada. Também não é preciso pagar o aluguel da máquina e não há limite por terminal de venda, o que o torna muito importante para ambientes com mais de um ponto de venda.

Por estar conectado à internet DSL, possui muito mais velocidade e um sistema com mais etapas de verificação e autenticação, podendo facilmente ser integrado aos sistemas ERP de automação comercial. Sendo assim, o TEF oferece vantagens como:

  • Organizar e gerar relatórios de saída de itens, atualização de estoques, relatórios de venda, documentos fiscais, relação de tipos de produtos que têm maior e menor saída, horários e datas em que há maior e menor volume de vendas. Basicamente, você pode analisar um número enorme de fatores, filtrá-los e cruzá-los em planilhas que podem servir para diversas finalidades de organização financeira, de mão de obra e de bens.
  • Você pode se conectar direto com a Secretaria de Fazenda de seu estado, autenticando todas as suas vendas com mais velocidade e podendo emitir NF-e e NFC-e. Você também fica apto a reservar todos os envios direto no portal do fisco que pode ser consultado por todas as partes, facilitando sua relação com o órgão e diminuindo a chance de erros.
  • Aumenta a segurança das transações, sendo um sistema que evita fraudes no cartão. por realizar diferentes etapas de autenticação e possuir link dedicado.
  • O sistema TEF pode realizar mais operações além das vendas, como adicionar créditos e gerir outros tipos particulares de cartão e sistemas de fidelidade.
  • Possui um sistema de conciliação próprio, facilitando e diminuindo custos na verificação das atividades, cancelamentos e taxas.

Apesar de ser pouco comum, as TEFs também já estão desenvolvendo aparelhos portáteis aos poucos para solucionar problemas de mobilidade.

Como funcionam as taxas e os processos com as adquirentes?

Como mencionado no tópico anterior, cada tipo de sistema possui suas especificidades. Ambos apresentam taxas de uso, implantação e manutenção.

  • Nas PoS há uma taxa mensal de aluguel da máquina e uma taxa que incide sobre cada transação de acordo com a modalidade. Você ainda pode contratar mais serviços disponíveis por sua adquirente, como adicionar créditos e parcelar compras – sendo todos estes serviços passíveis de taxas extras.
  • Nas TEFs você paga pela implantação e o tipo de licença do sistema, desembolsando uma taxa mensal de manutenção e autorização de uso, sem precisar pagar taxas por vendas unitárias.

No caminho entre a venda e o recebimento, há agentes envolvidos para que todo o sistema aconteça. Quando seu cliente realiza uma compra, ela é autenticada pela emissora, que comunica a bandeira do cartão.

Após a autenticação da venda, a emissora repassa a parte para a adquirente e, então, ao vendedor. Em cada etapa um percentual de taxa proporcional é cobrado pelas partes até chegar ao contratante.

As compras no débito costumam estar disponíveis em até 3 dias, enquanto aquelas feitas no crédito são repassadas a cada mês, em um único momento, dentro de um prazo estipulado para cada ciclo mensal de vendas.

Invista em sistemas de cartões de crédito

O sistema é complexo, mas oferece uma série de vantagens práticas aos vendedores e movimenta setores de serviços que fazem fluir todo um mercado.

Agora que você conhece um pouco mais sobre este sistema, poderá escolher e entender os termos com mais propriedade ao optar pelo melhor modelo para seu ambiente comercial. 

Esperamos que este post da GetCard tenha sido útil. Em caso de dúvidas sobre operações financeiras, converse, pesquise e informe-se antes de tomar qualquer decisão – afinal, é sobre o sucesso do seu negócio que estamos falando!

Posts relacionados